Investimento: por que fazer e como começar?

Investimento: por que fazer e como começar?

No caminho de aumentar o patrimônio financeiro, as pessoas buscam melhorar seus rendimentos, independentemente da meta de vida traçada. Por isso, é tão necessário saber tudo sobre investimento, como seu conceito, as vantagens e formas de começar uma carreira de investidor.

Se você pretende atingir independência financeira, juntar uma quantia para comprar um imóvel ou planejar viagens ao exterior, saiba que é perfeitamente possível atingir tais objetivos. Basta desenvolver conhecimento sobre finanças para investir nos produtos mais promissores do mercado.

Despertamos o seu interesse sobre o assunto? Então, prossiga com a leitura para ficar por dentro de todos os detalhes sobre investimento.

Definição de investimento

Investimento corresponde à compra de produtos financeiros para obter lucro em médio e longo prazos. Esse ganho é obtido graças aos juros pagos pelas instituições que emitem os títulos ou pela valorização dos papéis. Ou seja, o dinheiro pago pelo investidor financia as atividades dos órgãos emissores, como obras e projetos de expansão de mercado. Em troca desse acordo, as companhias pagam juros ao investidor.

Vamos começar pela modalidade de investimento mais popular, a renda fixa. Antes de aplicar a quantia desejada, alguns acordos são firmados entre o emissor e o investidor, como:

  • alíquota do IR;
  • liquidez;
  • prazo de resgate;
  • taxa de administração.

Já na aplicação de renda variável, como as ações da bolsa de valores, é difícil saber qual será a valorização dos papéis com o tempo. Mesmo assim, há formas de estudar e analisar o instrumento, a fim de prever uma taxa de rentabilidade.

Falaremos mais sobre renda fixa e renda variável adiante.

A importância de começar a investir

A resposta para essa pergunta parece óbvia: aumentar o patrimônio financeiro. Mas, para quê?

O ato de investir demanda estudo e muita disciplina. Por isso, é necessário ter metas claras ao aplicar seu dinheiro. Sem esse incentivo, as chances de desistir e direcionar as finanças para outras finalidades são grandes.

Existe um conjunto de motivos para trilhar esse caminho promissor e eles variam conforme as prioridades de cada um. Pode ser comprar um carro, ter uma casa, fazer um curso ou até abrir um negócio. Seja qual for o seu objetivo, ele será essencial na hora de montar sua carteira de investimentos.

Mesmo que você não tenha objetivos específicos, saiba que fazer investimentos financeiros é a melhor maneira de garantir um futuro promissor. Afinal, quando chegar o momento de se aposentar, provavelmente o valor pago pelo INSS não será suficiente para ter uma vida financeira mais tranquila. Logo, construir uma reserva que tenha bons rendimentos é a melhor alternativa.

As vantagens de investir

Fazer investimentos é uma prática que traz benefícios interessantes que podem convencer você a seguir esse caminho. Conheça os destaques, a seguir.

Deixar de ser refém da crise no fim do mês

Depender somente do salário é uma realidade muito comum entre os brasileiros, devido à carência de disciplina financeira. Deixando de lado o alto custo que temos que enfrentar para pagar as contas mensais, a verdade é que devemos saber viver dentro de nossa realidade. Isso significa reduzir ou cortar gastos, rever as contas e planejar as necessidades do nosso dia a dia.

Para isso, o primeiro passo é lidar com os compromissos mensais e começar a investir, ou seja, “injetar” uma quantia para seus investimentos — que pode começar pequena e subir de forma gradativa, mês a mês — e montar uma reserva para lidar com emergências (despesas médicas, manutenção do carro, conserto da casa etc.). Esse é um exercício essencial para não ser mais refém de crises financeiras que surgem no fim do mês.

Livrar-se das dívidas de uma vez por todas

Quem tem uma relação eficiente com seu dinheiro fica longe de dívidas porque sabe que podem virar uma bola de neve incontrolável. Portanto, pessoas investidoras são mentalmente preparadas para se manter tranquilas no presente e focadas em seu futuro. Além disso, elas não se deixam levar por campanhas de consumo e empréstimos sem necessidade.

Ter uma postura mais crítica com relação ao consumo

Um dos diferenciais da educação financeira é sua jornada virtuosa. A partir do momento em que evita crises financeiras no seu orçamento e que as dívidas assumidas são minimamente calculadas, você naturalmente se torna mais crítico com relação ao seu dinheiro.

A todo momento, as propagandas vão falar que você precisa disso ou daquilo, mas, quando se está consciente contra as abordagens comerciais e com interesse em um futuro mais tranquilo, fica mais fácil evitar gastos desnecessários.

Dar grandes passos para atingir suas metas

Um exemplo prático sobre a vantagem de ser financeiramente independente é a dedicação total ao seu objetivo de vida. Quando seu dinheiro não é mais motivo para problemas e quando você sabe que ele trabalha a seu favor, garante mais foco e energia para atuar no que realmente importa. Afinal, você constrói uma plataforma financeira que ajuda a atingir seus objetivos.

Panorama de investidores brasileiros

Em pesquisa sobre o panorama de pessoas que investiram suas finanças em 2021, a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) descobriu que 82% dos entrevistados não fizeram nenhum tipo de investimento, o que representa 8 a cada 10 indivíduos.

Outro dado interessante é que a maioria da população (72%) não tem conhecimento algum sobre produtos financeiros disponíveis no mercado. A situação piora entre pessoas consideradas de classe baixa (D e E), atingindo 91%.

Na estatística geral, cerca de 31% dos brasileiros fazem investimentos, sendo que a caderneta de poupança é a mais utilizada entre todas as classes e gêneros, com um total de 23%. Quando o assunto é investir, o fator segurança é priorizado, seguido pelo retorno financeiro do dinheiro aplicado.

No entanto, existe uma infinidade de produtos e recursos financeiros tão seguros quanto a caderneta e com rendimento muito superior, como é o caso das opções de renda fixa (RF) e renda variável (RV).

Diferenças entre investimentos de renda fixa e variável

Rendas fixas e rendas variáveis apresentam características distintas que devem ser esclarecidas antes de definir quais investimentos você pode fazer. Confira os detalhes abaixo:

Rentabilidade e risco

Na renda fixa, é possível saber com antecedência qual será a rentabilidade do investimento, ou seja, você tem conhecimento de quanto o produto investido pode render no momento de fazer a aplicação.

Já na renda variável, não existe essa previsão: o valor dos ativos pode variar o tempo todo. E são diversos os fatores que afetam essa categoria, como a taxa de juros e o cenário econômico do país e do mundo.

Sendo assim, a maior diferença entre as duas modalidades é o fator de risco, que, na renda variável, é mais elevado.

Segurança

Um diferencial que garante segurança aos ativos de renda fixa é o Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Para valores de até R$ 250 mil, ele assegura o pagamento caso a instituição emissora quebre. Por exemplo, se você investir R$ 50 mil em um Certificado de Depósito Bancário (CDB) de um banco e ele decretar falência, o FGC garantirá o pagamento dessa quantia.

No caso do cooperativismo de crédito, é o FGCoop – Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito – que dá essa garantia.

Já os produtos financeiros de renda variável podem oferecer maior rendimento, especialmente quando consideramos o fator tempo. Por serem mais arriscados para o investidor, maior é a possibilidade de ganhos.

Se você está começando no mundo dos investimentos ou está montando uma reserva de emergência e deseja uma rentabilidade mais segura, o ideal é a renda fixa.

Indicador de rendimento

O investimento em renda fixa pode ser prefixado ou pós-fixado, baseando-se no desempenho de indicadores, como Certificado de Depósito Interbancário (CDI), Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic), Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e Índice Geral de Preços de Mercado (IGPM).

Os valores e as taxas dos títulos RF variam constantemente até a data de vencimento, por vários motivos. Essas alterações só são praticadas caso o investidor realize o resgate do produto financeiro antes do prazo final. Caso contrário, receberá a quantia previamente acordada durante a aplicação. Por isso, a oscilação ao longo do período não tem importância.

a renda variável é impactada por diversas flutuações internas (a partir da própria empresa emissora) e externas (mercado em geral). Uma mudança na economia do país e do mundo pode ser suficiente para que ações subam ou desvalorizem.

Exemplos de investimentos de renda fixa

A renda fixa é a opção mais segura e deve ser priorizada pelo investidor iniciante, já que contém uma série de produtos de fácil acesso. A renda fixa ainda possui produtos pré-fixados e pós-fixados, que se utilizam de indexadores (CDI, SELIC etc.) para complementar o rendimento, mas cujo saldo final só é conhecido após o fechamento de um prazo pré-estabelecido. Conheça as opções mais promissoras da atualidade.

Tesouro Selic

O Tesouro Selic garante liquidez diária. Portanto, é possível resgatar títulos com rapidez. Seu rendimento está ligado à taxa de juros básica da economia brasileira — a taxa Selic. Logo, quanto mais elevada ela for, mais alto é o retorno. Isso explica por que o Tesouro Selic é largamente recomendado para montar reservas de emergência.

Tesouro Prefixado

No Tesouro Prefixado, a rentabilidade é definida na compra do título. Portanto, se ficar com ele até o final do período, você receberá o que foi combinado. É indicado para investidores altamente conservadores, ou seja, aqueles que desejam saber exatamente o valor do rendimento ao final da aplicação.

Tesouro IPCA+

Esse título é considerado híbrido porque combina a taxa de juros fixa mais o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) que estiver em vigor durante o período de aplicação e resgate. Ele costuma ser utilizado por investidores que desejam proteger suas aplicações da inflação e ainda receber um ganho real.

Recibo de Depósito Cooperativo (RCD)

O RCD é um produto financeiro fornecido por sistemas de cooperativa de crédito. É considerado de baixo risco e as condições dessa aplicação são definidas previamente, podendo ser prefixado ou pós-fixado, o que é ideal para investidores conservadores que priorizam a segurança na hora de investir.

Na prática, a aplicação funciona como uma espécie de empréstimo para a cooperativa. Esse dinheiro é direcionado para a instituição realizar atividades, como investimentos no mercado financeiro, e liberar empréstimos aos cooperados (membros da cooperativa). Como recompensa, o investidor recebe uma taxa de rendimento acordada no momento da aplicação.

A cooperativa de crédito é uma instituição formada pela livre associação de pessoas físicas e jurídicas. A gestão da entidade é democrática, ou seja, os membros associados a ela elegem periodicamente as pessoas que cuidam da administração.

Nos bancos, a aplicação equivalente ao RDC é o CDB (Certificado de Depósito Bancário).

Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e Letra de Crédito do Agronegócio (LCA)

A LCI e a LCA são parecidas com o RDC e o CDB, pois também financiam instituições bancárias — mas com foco em apoiar o crédito imobiliário e o agronegócio. Neste tipo de investimento, há isenção do Imposto de Renda sobre os juros resgatados, o que pode ser uma ótima alternativa para você.

Letra de Câmbio (LC)

A Letra de Câmbio também apresenta semelhanças com o RDC e o CDB. Geralmente, você encontrará produtos híbridos e pós-fixados no mercado.

A LC está sujeita à “tributação regressiva do Imposto de Renda” — depende do tempo da aplicação, ou seja, quanto maior o prazo, menor o valor a ser pago —, assim como a maioria dos produtos de renda fixa.

Exemplos de investimentos de renda variável

Os títulos de renda variável são muito diversificados. Conheça os mais utilizados pelos investidores.

Ações

Ações são os produtos mais populares da renda variável. Nelas, o investidor compra ou vende uma parte do capital social das empresas que operam no mercado financeiro, o que pode garantir uma participação nos resultados.

Quando uma marca emite ações para vender, ela deseja arrecadar dinheiro para crescer e aumentar seus resultados. Nesse sentido, existem as:

  • ações preferenciais — que priorizam o recebimento dos dividendos (lucro líquido da empresa destinado aos acionistas) e reembolso de capital;
  • ações ordinárias — que dão direito ao voto em assembleias e prioridade no recebimento de lucros.

Essa modalidade de investimento apresenta grande potencial de rendimento. Embora o risco seja alto, os ganhos são interessantes e você pode começar com poucas quantias.

Fundos de Ações (faz)

Os Fundos de Ações são uma alternativa para quem quer investir na Bolsa, mas não deseja comprar títulos de determinada empresa. Funcionam como uma carteira de investimentos composta por ações ou outros produtos de  renda variável. Ao aplicar seu dinheiro em um fundo, você compra uma cota, e não o título. Dessa forma, a rentabilidade vai depender do desempenho da carteira, que é administrada por uma equipe especializada.

Fundos Imobiliários (FIIs)

É perfeitamente possível investir em imóveis sem precisar comprá-los. Parece brincadeira, mas é justamente isso que os Fundos Imobiliários proporcionam aos investidores. Essa é a forma mais acessível e rápida de fazer investimentos no segmento imobiliário, pois você se une a outras pessoas e compra cotas de grandes empreendimentos, como condomínios, galpões, shoppings e estabelecimentos comerciais. Dessa forma, adquire o direito de receber cotas de aluguéis proporcionais ao dinheiro investido. Mesmo não tendo muitos recursos para aplicar, é possível investir em imóveis com segurança lucrativa. Os FII são negociados em bolsa, assim como as ações, e o valor das suas cotas varia de acordo com o interesse dos investidores.

Derivativos

Os derivativos não são tão populares quanto os demais produtos financeiros de renda variável. Eles correspondem a títulos que têm um valor de mercado ligado a outro bem ou recurso financeiro.

Para exemplificar o que foi dito, vamos imaginar que você resolveu comprar um contrato de dólar ou euro do mercado futuro. Portanto, não compra a moeda em si, mas o direito à sua variação. Logo, o valor oscila de acordo com outro ativo, ou seja, é um rendimento dependente do comportamento de outro produto ou ocasião. Este tipo de investimento possui um alto risco atrelado e é recomendado a investidores experientes.

Commodities

As commodities são matérias-primas essenciais com baixo índice de industrialização. Elas são estocadas em grandes volumes e apresentam um valor elevado no mercado financeiro. É o caso do petróleo, minério de ferro, etanol, ouro, celulose etc.

Nosso país é um dos maiores exportadores desses insumos. No entanto, os valores variam conforme a oferta e a procura, o que exige estratégia na hora de investir. Para investir nesse tipo de produto, é necessário procurar uma corretora, visto que os negócios ocorrem em bolsa de valores.

Dicas para começar a investir

Após explorar diversos detalhes sobre investimentos, vamos às melhores práticas para começar nesse ramo promissor.

Faça um planejamento financeiro

O ato de investir começa antes mesmo da compra do primeiro título ou da aplicação de dinheiro. É preciso se planejar financeiramente antes de colocar seu dinheiro para render. Para isso, registre todos os seus ganhos e gastos, se livre das dívidas que podem prejudicar o seu orçamento, elabore um gerenciamento de riscos para lidar com imprevistos e, por fim, defina um valor adequado para investir regularmente.

Conheça o seu perfil de investidor

Ao descobrir seu perfil de investidor, você será capaz de escolher os produtos financeiros com prazo, nível de risco e detalhes adequados aos seus objetivos. No ramo dos investimentos, existem três perfis de investidores. Descubra qual é o seu.

Conservadores

São pessoas que priorizam aplicações mais seguras, com liquidez alta e com baixa ou nenhuma variação. Buscam proteger seu dinheiro no longo prazo e não toleram oscilações grandes. É um perfil recomendado para iniciantes.

Moderados

Também pensam em segurança, mas tentam diversificar seu patrimônio financeiro com aplicações um pouco mais arriscadas. Eles sabem que a rentabilidade da carteira será maior em longo prazo. É um perfil que prioriza retornos que ultrapassam a taxa básica de juros.

Agressivos

São pessoas mais propensas a tomar risco, pois têm maior conhecimento sobre ações e funcionamento da Bolsa de Valores. Por isso, investem pesado para aumentar seus rendimentos.

Esse perfil sabe muito bem que o mercado pode sofrer muitas variações no curto prazo, porém entende que o retorno de seus investimentos será maior no futuro. Sua carteira pode perder um valor considerável no meio do caminho, mas os ganhos podem ser superiores no longo prazo.

Mas como saber o seu perfil?

Basta responder ao seguinte questionário:

  • Qual seu nível de conhecimento sobre o mercado financeiro?
  • Quais produtos financeiros você tem experiência em aplicar?
  • Por quanto tempo você pretende deixar seu capital aplicado?
  • Você investiria em ações de maior risco para ter um maior rendimento?

Diversifique seus investimentos

Diversificar investimentos é ideal para garantir que seu dinheiro tenha um rendimento maior. Logo, a dica é balancear o investimento entre produtos de alto e baixo risco para deixar sua carteira mais estratégica e equilibrada, por meio de investimentos em renda fixa e renda variável. Quanto mais opções tiver, maior é a chance de rentabilidade e redução de riscos — lembrando que essa diversificação deve ser compatível com o seu perfil de investidor.

Acompanhe o mercado e busque conhecimento

Antes de comprar, vender ou investir, é preciso ter conhecimento apropriado sobre economia e mercado financeiro (nacional e internacional) para evitar prejuízos. Reserve algumas horas na sua agenda para entender como o ramo de investimentos funciona, na prática.

Existe uma infinidade de materiais interessantes na internet sobre o tema. Portanto, siga canais de investidores renomados para ficar por dentro de diversos detalhes e tendências, além de acompanhar as dicas e novidades do nosso blog. Também é recomendado fazer cursos da área para melhorar seu domínio sobre o funcionamento das finanças e reciclar conhecimentos periodicamente.

Investir é para Todos

E investir pode dar prêmios. Até o dia 30 de junho, aqueles que participarem da Promoção “Investir é para Todos”, do Sicoob, vão concorrer a 14 automóveis Polo Track e a milhões em pontos Coopera.

A campanha envolve todas as singulares do Sicoob, como a Cocred. Para consultar o regulamento e outras informações, clique aqui.

Como visto, fazer investimento é a melhor forma de ver o seu dinheiro render em médio e longo prazo. O segredo está em começar essa empreitada com um planejamento sólido para assegurar que suas finanças sejam administradas com eficiência, garantindo rendimentos valiosos no futuro.

Que tal potencializar seus conhecimentos sobre finanças e suas modalidades? Siga nossas redes sociais e fique por dentro de tudo sobre cooperativismo e economia. Estamos no Facebook, no Instagram e no YouTube.

Fui vítima de golpe. E agora?

Cocred leva teatro a instituição de Guaíra e abre agência para visita de estudantes

Cocred promove palestras gratuitas durante a Global Money Week

Celular Seguro: conheça o aplicativo que permite informar roubo e furto do aparelho

Fui vítima de golpe. E agora?

Cocred leva teatro a instituição de Guaíra e abre agência para visita de estudantes

Cocred promove palestras gratuitas durante a Global Money Week

Celular Seguro: conheça o aplicativo que permite informar roubo e furto do aparelho

Assine e receba nossos conteúdos exclusivos.

Quer fazer parte de nossa cooperativa?

Então, preencha o formulário abaixo!

Cadastro enviado com sucesso! Em breve, nossa equipe entrará em contato