Confira dicas para cair na folia sem cair em golpes financeiros

Confira dicas para cair na folia sem cair em golpes financeiros

Os golpes financeiros, principalmente nas plataformas virtuais, têm se diversificado. Os criminosos desenvolvem, a cada dia, novas formas de invadir redes sociais ou aplicativos para obter informações sigilosas, ou de se passar por funcionários de instituições financeiras para forçar as vítimas a fornecer dados.

Uma das técnicas mais usadas é a engenharia social, pela qual conseguem que os usuários forneçam informações confidenciais ao clicar em links e preencher formulários falsos.

Para evitar situações desse tipo, a Sicoob Cocred investe em modernos mecanismos de segurança cibernética. Mesmo assim, é importante contar com a atenção de cada cooperado, com medidas simples, para prevenir e combater práticas fraudulentas.

Aproveitamos os dias que antecedem o Carnaval e que o Dia Internacional da Internet Segura foi comemorado no último dia 06/02, para listar os principais golpes aplicados por meios online. Sabendo como evitá-los, você poderá curtir a folia com alegria e tranquilidade.

 Golpe da troca de cartão

Atenção especialmente a este golpe nas festas de rua. Geralmente, criminosos se disfarçam de vendedores ambulantes para enganar as pessoas que saíram para se divertir. Eles usam artimanhas que possibilitam a troca de cartão das vítimas.

Como funciona? Um cliente vai até o suposto ambulante para comprar água, refrigerante, cerveja ou algo pra comer. Atento à senha digitada na maquininha, o golpista inventa uma desculpa para desviar a atenção do comprador e, rapidamente, troca o cartão, devolvendo outro da mesma instituição financeira e com a mesma bandeira. Em posse do cartão real e da senha, tem caminho livre para usar o dinheiro da conta.

Por isso, aí vão algumas dicas:

– Desconfie da necessidade de passar o cartão novamente, por algum suposto problema com a maquininha. Busque sempre checar as informações que aparecem na tela do equipamento.

– Evite entregar o cartão nas mãos do “vendedor”. Confira o valor da compra antes de digitar a senha, evitando que alguém veja os números que a compõem.

– Sempre verifique o nome que consta no cartão quando terminar a compra.

Golpe da maquininha de cartão

Nesse caso, os golpistas podem usar equipamentos fraudados, como visor danificado ou escondido, para impedir que o cliente visualize o valor real da compra.

Roubo ou furto de celular

Frequentar blocos, desfiles de escolas de samba e bailes de Carnaval pode ser uma oportunidade para quadrilhas especializadas em roubos ou furtos dos aparelhos. Como eles contêm informações valiosas sobre a nossa vida, podem ser usados em golpes ou, até mesmo, como motivos para chantagens ou extorsões.

Sempre proteja seu celular, principalmente se for a locais com muita gente.

Outra forma de se prevenir é baixar e se cadastrar no aplicativo Celular Seguro, lançado recentemente pelo Governo Federal. Ele está disponível no Google Play ou no App Store.

Mensagens falsas

Phishing são mensagens usadas por fraudadores para roubar dados pessoais. Ao clicar no link recebido, a vítima é direcionada a um site falso, muito parecido com o verdadeiro. No Carnaval, são comuns promoções fraudulentas sobre venda de ingressos ou pacotes de viagens. Portanto, atenção redobrada.

Além desses, há uma série de outros golpes e fraudes que podem oferecer riscos aos foliões. Conheça:

Golpe do WhatsApp

Por SMS, a vítima é induzida a fornecer um código, com o qual o criminoso bloqueia a conta do WhatsApp e passa a enviar mensagens para os contatos dela, pedindo dinheiro.

Contas falsas

Basicamente, o criminoso usa uma narrativa envolvente na hora de praticar o golpe. Para ter êxito, ele obtém os dados de uma pessoa — inclusive, a foto de perfil do WhatsApp — e começa a mandar mensagens para os contatos dela.

Dificilmente, as vítimas não identificam logo que é uma fraude, os que as deixa vulneráveis a toda sorte de chantagem e história furada. Muitas vezes, a desculpa do golpista é que trocou de aparelho e que precisa de dinheiro emprestado para saldar um compromisso urgente.

WhatsApp clonado

Muito parecido com o golpe da conta falsa, o WhatsApp clonado funciona assim: o criminoso se passa por representante de uma empresa conhecida da vítima em potencial, fazendo uma proposta praticamente irrecusável, como uma promoção ou um desconto.

Nesses ou em outros cenários, o criminoso pede que a pessoa envie o código de liberação do aplicativo, de modo a ter acesso aos benefícios prometidos. Uma vez que o envio é feito, o golpe é executado, e o criminoso passa a ter acesso a todos os contatos e grupos da vítima.

App espião

Com as redes sociais, surgiu um termo chamado “stalkear“, que consiste em espionar a atividade de algum usuário. Os criminosos fazem isso com auxílio de programas do tipo spywares ou stalkerwares, de modo que uma pessoa passa a ter as suas atividades no celular monitoradas.

Todos os dados desse usuário ficam visíveis ao golpista, inclusive o código de verificação do WhatsApp. Com isso, a pessoa tem um sério risco de ter o seu aplicativo clonado, e passa a ser monitorada também nas suas redes sociais. Na prática, o golpista usa algum assunto em destaque atualmente para induzir a pessoa a clicar no seu link, sendo um exemplo disso o “dinheiro esquecido” no Banco Central.

Roubo de chip

O roubo de chip ocorre quando o criminoso entra em contato com a operadora de celular, em nome do proprietário da conta. Na ligação, ele alega que o aparelho foi roubado e solicita um novo chip.

Caso a operadora acredite na mentira, o criminoso passa a ter acesso a todas as informações do chip da vítima. Enquanto isso acontece, o outro SIM card é automaticamente inativado.

Golpe do falso empréstimo

Os golpistas anunciam ofertas de empréstimos a pessoas negativadas. Ao receberem ligações de interessados, pedem pagamentos antecipados e depois cortam o contato.

Golpe do falso sequestro ou do falso parente

A vítima recebe uma ligação informando que um suposto parente foi sequestrado e é induzida a pagar o resgate; ou um falso parente telefona para a vítima pedindo dinheiro para arcar com despesas inesperadas.

Golpe do site falso de leilões

Consiste em um site de leilões falso, que induz a vítima a pagar um boleto, mas nunca entregará o produto “vendido”.

Golpe do DDA

Os fraudadores enviam um e-mail e pedem que a vítima desconsidere o pagamento do DDA e o façam a partir de um falso boleto, que desvia o dinheiro para uma conta deles.

Golpe do motoboy

Fraudadores ligam para a vítima e questionam uma suposta compra no cartão. Pedem as senhas para bloqueá-lo e mandam um motoboy para recolher o cartão para “perícia”.

Golpe do QR Code

O fraudador induz à vítima, por telefone, a fazer uma atualização de segurança. Pede que ela que acesse uma falsa aplicação do internet banking, na qual informa os dados da conta, incluindo a senha. Depois, é pedida a leitura de um QR Code para liberar o acesso.

Malware

Uma nova página inicial surgiu sem sua permissão? Tentou acessar um site e foi para outro? Provavelmente, você carrega um malware, que interfere no desempenho e causa travamentos, por usar o potencial da sua máquina para outros fins.

Pix errado

O criminoso cria um comprovante de uma instituição bancária e envia para o WhatsApp da vítima, alegando que fez uma transferência errada. E pede a devolução do valor.

Ataque pela internet

O usuário recebe um link ou arquivo por e-mail, que, ao ser clicado, altera uma configuração de segurança do computador, permitindo acesso remoto por fraudadores.

Como se proteger?

Use dispositivos seguros: busque se conectar em redes, celulares e computadores de sua confiança; Não clique em links recebidos de e-mails, SMS e números de WhatsApp desconhecidos; Confira os termos de privacidade de sites, que devem deixar claro o intuito da coleta de seus dados e como eles serão utilizados; Não compartilhe senhas com terceiros; Tome cuidado com telefonemas: antes de repassar qualquer informação, guarde o número e entre em contato com a instituição financeira por meio dos canais oficiais.

O que fazer se cair em um golpe?

Mesmo com todos os cuidados, é possível que, por algum deslize, você seja vítima de um golpe virtual. Se isso acontecer, mantenha a calma. Primeiramente, registre um Boletim de Ocorrência para que a situação fique documentada.

Em seguida, contate sua instituição financeira para bloquear cartões e solicitar atenção a qualquer movimentação em seu nome. Amigos e familiares devem ser avisados, já que os golpistas podem entrar em contato com eles para pedir dinheiro.

Diversificação pelo WhatsApp

Quanto mais as pessoas usam uma aplicação, maior é a propensão de estar na mira dos criminosos. Infelizmente, muitos ainda não estão a par dos perigos da internet, principalmente nessa era em que a informação está acessível facilmente, com apenas alguns toques.

Você clica em uma notícia aparentemente inofensiva enviada pelo WhatsApp e, do nada, é direcionado a um site malicioso. Esse é apenas um dos muitos exemplos de golpes do WhatsApp aplicados por criminosos.

Confira nosso infográfico relacionado ao tema e veja as dicas para não cair neles.

Por mais que a internet e os aplicativos de celular sejam bastante benéficos às pessoas, eles podem conter muitos riscos. Indivíduos mal-intencionados sempre estão à espreita, buscando roubar dados e se passar por pessoas idôneas para pedir dinheiro e fazer várias outras operações ilícitas.

Dito isso, é preciso redobrar o cuidado e sempre desconfiar das coisas que são enviadas pelo WhatsApp. Muitas vezes, um link aparentemente inofensivo falando de política, por exemplo, pode direcionar os usuários a páginas que farão o roubo de dados.

Se você for vítima de um golpe, no entanto, nem tudo estará perdido, pois existem formas de minimizar ou até reverter a situação. Nesse sentido, a primeira coisa a fazer é informar aos contatos que algum golpista teve acesso ao seu WhatsApp. A ideia é evitar que essas pessoas façam o envio de dinheiro ou outras informações aos criminosos, pensando que é você.

O segundo passo é desconectar a sua conta acessada pelo criminoso no WhatsApp e tentar ativar de novo. No momento em que o código é digitado, o golpista será desconectado automaticamente, sendo importante fazer isso o mais rápido possível. Outro procedimento importante é fazer um Boletim de Ocorrência, pois isso pode ajudá-lo(a) a recuperar dinheiro roubado pelo golpista.

O melhor remédio contra os golpes de WhatsApp é a prevenção. No entanto, nem sempre isso é possível, exigindo alguns procedimentos que ajudam a minimizar ou reverter o prejuízo. De fato, seguindo as dicas deste conteúdo, os riscos de ser uma vítima dos criminosos virtuais diminuem bastante.

Desconfie sempre de links sobre assuntos do momento ou familiares e amigos pedindo dinheiro emprestado. Ainda que muitas vezes isso não ofereça nenhuma ameaça, é possível ter criminosos por trás, querendo espionar e monitorar o seu aparelho, podendo roubar as suas informações pessoais e até clonar o smartphone.

Seguindo essas dicas, seus dias de folia têm tudo para ser inesquecíveis!

Continue acompanhando as informações do nosso blog e das nossas redes sociais (FacebookInstagram LinkedIn).

Fui vítima de golpe. E agora?

Cocred leva teatro a instituição de Guaíra e abre agência para visita de estudantes

Cocred promove palestras gratuitas durante a Global Money Week

Celular Seguro: conheça o aplicativo que permite informar roubo e furto do aparelho

Fui vítima de golpe. E agora?

Cocred leva teatro a instituição de Guaíra e abre agência para visita de estudantes

Cocred promove palestras gratuitas durante a Global Money Week

Celular Seguro: conheça o aplicativo que permite informar roubo e furto do aparelho

Assine e receba nossos conteúdos exclusivos.

Quer fazer parte de nossa cooperativa?

Então, preencha o formulário abaixo!

Cadastro enviado com sucesso! Em breve, nossa equipe entrará em contato